Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Pottersville no cinema e a Trumpland no documentário

por Ana Gabriela A. S. Fernandes, em 19.10.16

 

Voltar a este rio sem regresso por causa do Trump? Não é bem assim. Tudo começou com uma perplexidade: ver uma personagem como Trump ficar na corrida presidencial americana até ao fim.

Lancei um desafio a mim própria: escolher um filme por semana no It Happens every Spring até às eleições de Novembro. Nem sempre consegui cumprir, saltei algumas semanas. Além disso, comunicar em inglês é mil vezes mais difícil para mim do que em português. Às tantas já me ouvia a falar como algumas personagens dos filmes americanos que vi ao longo dos anos...

O desafio era revelar a influência do cinema na cultura americana, os valores que se foram perdendo, a cultura do lixo a invadir tudo, a política, os media, a vida em geral.

O cinema revela mais do que parece. Através das personagens, da sua acção na comunidade e da sua interacção com outras personagens, vemos e sentimos o mal-estar, a inquietação, o desânimo, a esperança, e a construção de um futuro possível. A arte serve para revelar, sacudir e acordar.

Foi assim com a cidade do Potter em It's a Wonderful Life. A rendição de uma comunidade ao lucro como único valor a seguir, passando a ferro a dignidade, autonomia, qualidade de vida e perspectivas de futuro das pessoas. 

 

 

Esse mundo paralelo só não prevaleceu porque uma personagem generosa, corajosa e determinada, George Bailey, tinha uma visão para a comunidade e persistiu até ao limite das suas forças. E depois teve um anjo a lembrar-lhe o que tinha já conseguido na sua vida.

 

Desta vez é um documentário que vai sair esta semana: Michael Moore na Trumpland. Promete.

 

 

As semelhanças Trump-Potter são evidentes. Mas Trump consegue ir mais longe na cultura da encenação e do entretenimento. Por isso o comparei a Nero a tocar a lira enquanto Roma ardia. Digamos que Potter é manhoso e inteligente no seu propósito e consegue ser bem sucedido nos negócios. Trump destrói com a mesma facilidade com que constrói, e aqui temos a cultura do lixo no seu esplendor, nada tem valor a não ser a sua utilidade no momento, lucro mas sobretudo a fama, nada perdura no tempo, nem o que se diz nem o que se faz, nada é para levar a sério. Tudo roda à sua volta como uma grande corte de fãs, de serviçais e figurantes que despreza. É com o mesmo desprezo que trata os empregados dos hotéis e casinos e dos empreendimentos que faliram. Essas construções monstruosas agora vazias dizem tudo sobre a personagem e a cultura do lixo. Nada fica a não ser comunidades desorientadas e desorganizadas.

Daí a perplexidade: será a sua revolta de tal dimensão (contra um sistema injusto, que se rendeu à finança e ao clã dos muito ricos e influentes e exclui a maioria dos cidadãos, que colocou famílias na rua e deixou casas desertas, que encarcerou uma fatia enorme da população sobretudo afro-americnos, etc.), que preferem render-se a esta espécie de Joker?

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:24


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D